Uma capela centenária – Santo Antônio de Castro

Há mais de um século, a capela testemunha a devoção da comunidade a Santo Antônio.

A história do surgimento da comunidade de Santo Antônio de Azevedo Castro teve seu início quando Domenico Faganello e Francesco Zanon doaram uma fração de suas terras para a construção de uma capela em honra a Santo Antônio de Pádua. Segundo Migot (1989, pág. 415), “Faganello era proprietário do lote rural nº 24 da Ala Norte e Zanon do nº 24 da Ala Sul”. Isso explica o fato de o travessão que separa a ala norte da ala sul passar “no meio do povoado, de forma que as duas capelas, o salão social, o ginásio de esportes e o cemitério situam-se no lote nº 24 norte e a escola estadual Antônio A. Guerra no de número 24 sul“.

No ano de 1886, foi benta a pedra fundamental da construção da primeira capela, que posteriormente foi substituída. Em 14 de maio de 1916 foi inaugurada a segunda capela, que permanece preservada e, atualmente, o roteiro turístico L’Amore Di Colonia inclui uma visitação à esta.

Em frente ao local, uma cruz lembra as missões populares ocorridas na comunidade no ano de 1907.

Próxima à Capela está a igreja nova, cuja inauguração ocorreu em 27 de janeiro de 1980.

Veja fotos do local:

Fonte de pesquisas:

MIGOT, Aldo Francisco. Carlos Barbosa: presente, primórdios e pioneiros. Caxias do Sul: Bellas-Letras, 2008.

MIGOT, Aldo Francisco. História de Carlos Barbosa. Porto Alegre: EST; Caxias do Sul: EDUCS, 1989.

———–

Texto: Paula Caroline Zan Carrard

Fotos: Banco de Imagens da Prefeitura | Paula Caroline Zan Carrard